Meme e Marketing de Oportunidade

Meme e Marketing de Oportunidade

Todo mundo aqui já deve ter recebido um meme, seja via WhatsApp, Instagram, Facebook, em algum momento teve algum relacionamento com esse tipo de linguagem. Às vezes até viramos um meme, dentro do grupo da família ou dos amigos, afinal a zoeira never end.

Mas você já parou para pensar como os memes influenciam em nossa vida?

Como muda a forma como a gente se comunica com o outro? Será que muda nossa forma de nos relacionarmos com o mundo?

Os memes não são obras do acaso e não são sucesso só por serem engraçados. Nós rimos? Claro! Mas a verdade é que eles ilustram muito da vida que nós levamos.

Nosso dia a dia é regado à velocidade, 24 horas parecem não serem suficientes, logo temos pequenas pausas para diversão e é justamente nesses momentos que normalmente somos impactados zapeando as mídias sociais.

Os memes foram feitos para o momento, não é uma criação pensada no futuro e sim em algo curto e engraçado que aconteceu há pouco. Dificilmente alguém vai lembrar de 3 memes que viram ontem ou na semana passada, por exemplo. As principais características são: divertimento rápido, imediato e efêmero.

A internet é repleta de todo tipo de informação mas você pode reparar que se você tem 1000 amigos no Facebook, por exemplo, não aparece em sua timeline tudo o que eles postam, afinal é humanamente impossível acompanhar esse tsunami de informações. Os algoritmos existem para selecionar tudo o que você vai ver, tudo que você vai compartilhar, tudo que te chama a atenção. O pesquisador norte americano Eli Pariser chama esse fenômeno de “filtro bolha”, que é exatamente essa organização de informação para te atender sob medida. Ou seja, ali dentro terão seus amigos preferidos, a foto que você irá compartilhar, o seu time de futebol, a sua banda favorita, assuntos de seus interesses, tudo feito para te agradar.

E o que os memes fazem? Nos agradam em tempo record! Dificilmente você verá um meme e não dará risada. É quase que instantâneo o compartilhamento.

Quem aqui nunca entrou no Netflix ou no Youtube e ficou zapeando por vários minutos os canais sem definir ao certo o que assistir? A gente tem tanta opção, tanta informação que às vezes acaba escolhendo NADA! Ou quando escolhe, passa 5 minutos e tem aquela sensação de “putz que merd#, deveria ter escolhido outro”. O mesmo acontece com as redes sociais. Você não sabe se olha o Instagram, o Facebook, tem sempre a impressão de que está perdendo algo e isso explica muito o sucesso dos memes pois eles são curtos, auto-explicativos, não precisa ficar escolhendo muito e ainda é diversão garantida.

A primeira vez que a ideia de meme surgiu foi com o pesquisador Richard Dawkins em seu livro chamado O Gene Egoísta. No livro, Dawkins explica que organismo é apenas “uma maquina de sobrevivência” do gene e que tem como objetivo a sua auto replicação, a espécie na qual existe a “maquina”  mais adequada pra perpetuação. Neste livro ele reformula igualmente o conceito de meme, o equivalente cultural do gene, unidade da memória ou conhecimento que repassa conscientemente para os seus descendentes. Os memes movem a cultura e são construídos através de  ideias, línguas, sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida como unidade autônoma.

Os memes são micronarrativas, onde se encurta começo, meio e fim e se auto explica. Além de serem engraçados, muitos também mexem com nosso próprio sentimento e usam palavras que se tornam cada vez mais freqüentes como “crush, falsiane, otariano”. Isso se espalha além da internet e hoje vemos por exemplo as pessoas usando esses apelidos.

Costumo dizer que o brasileiro precisa mesmo ser estudado, até nas piores situações eles conseguem fazer uma zoeira e arrancar risadas. Em meio a correria, ao stress, o meme acaba dando um certo alivio por nos proporcionar algo normalmente leve, uma pequena dose de alegria para salvar o dia.

O meme reflete o tipo de relação que estamos construindo, carregando mensagens, sentidos, afetos, aquilo que as pessoas andam pensando sobre um determinado tema.

Mas como usar isso no marketing de oportunidade?

Os memes podem ser recriados e é necessário estar atendo aos assuntos que estão em alta para transformar isso para a comunicação de sua empresa. Quer um exemplo não muito atual mas que a maioria de vocês vão lembrar?

A música “Juntos e Shallow Now” gravados pelos cantores Paula Fernandes e Luan Santana (versão em português da música Shallow da Lady Gaga) renderam muitos memes.  A Uber pegou essa onda e modificou uma de suas categorias chamada “juntos” para “Shallow Now” durante um dia, a internet foi a loucura e o termo entrou no trend topics do Twitter.

Com o sucesso do retorno da dupla Sandy e Junior aos palcos, o Mc Donald’s  também aproveitou a oportunidade e lançou a dupla Sundae & Junior (lanche Chicken Mc Junior).

Uma pesquisa realizada em parceria entre a Globosat e a Consumoteca revela que dos 1000 entrevistados, 85% dos internautas já utilizaram memes. O meme é uma seleção natural do conteúdo. A pesquisa ainda revela que 75% acham que o meme ajuda a aliviar o stress no cotidiano; 63% procuram memes na internet quando querem se distrair e 57% dos internautas seguem alguma página só para acompanhar memes. Além disso 54% acham que o meme ajudam a dialogar com o diferente ; 45% usam memes para quebrar o gelo numa conversa e 43% mandam memes como indiretas.

E você está esperando o que atrelar essa importante ferramenta aos seus negócios?

Deixe um comentário